Rebekah é uma Sim que descobre ser uma Delphin, uma raça sobrenatural procurada tanto pelos Caçadores quanto pelos Vampiros. Acompanhe suas aventuras e descubra os segredos que essa história guarda!

Dica: para ler com letras maiores, segure Ctrl e aperte o sinal de + no seu teclado (aperte - para diminuir).


A Última Delphin.

Capítulo 1 – Piloto.

Newcrest.
Casa de Rebekah e Christian.


Eram 9h45min de uma sexta-feira, na pacata vizinhança Jardim Florido, em Newcrest.


— Eu já disse que você é a sim mais linda do mundo? — Christian perguntou, enquanto acariciava os cabelos de sua amada Rebekah.
— Já, mas eu não canso de ouvir nunca... — Ela respondeu, dando-lhe pequenos e suaves beijos.
— Você se lembra de quando nos conhecemos? — O rapaz indagou, sussurrando bem baixo para não estragar o clima.
— Como eu poderia esquecer? — Rebekah questionou, rindo. — Eu detestava você!
— Eu também não era muito seu fã. Você só me dava aborrecimento.  Naquela época, eu jamais imaginaria que ficaríamos juntos. — Ele riu, recordando-se de todas as brigas que tiveram quando adolescentes. — Mas depois do baile de formatura, eu nunca mais tive olhos para nenhuma outra.


— Eu também só tenho olhos para você. — Ela disse, sorrindo. — Eu me lembro daquele baile como se fosse ontem, foi o dia mais louco da minha vida!
— Eu digo o mesmo! No final, eu ainda te pedi em namoro. — Ele recordou. — Nem parece que já se passaram três anos.
Após dois anos de namoro, Christian propôs. Rebekah, sem pensar duas vezes, aceitou, e logo em seguida eles noivaram. Com uma relação serena e amorosa, compraram uma casa juntos em Newcrest, para que, no futuro, tivessem o próprio lar, para eles e para os filhos.


O casal conversava sobre o passado e se divertia, mas eles foram subitamente interrompidos pelo som da campainha que ecoava na casa toda.
— Bom, parece que a diversão acabou. — Christian disse.
— Eu só queria ficar mais alguns minutinhos... — Rebekah lamentou.
— Infelizmente, não podemos. E você sabe. — Ele afirmou. — Vou lá embaixo atender.
— Até parece que eu vou deixar você descer lá de cueca! Eu vou atender.
— Mas você tá de camisola! — Ele falou, achando graça das palavras enciumadas da noiva.
— Exatamente. De camisola, não calcinha. Agora vá vestir uma calça e me encontra lá em baixo.



Rebekah caminhou até a porta e, ao chegar na área exterior, deu de cara com uma surpresa inesperada.


— MIRELA????? — Ela berrou, extremamente contente. — O que você tá fazendo aqui, menina?!
— Eu já explico tudo, mas antes quero um abraço!


— Eu tô tão feliz em te ver! Já se passaram, tipo, cinco anos desde última vez que eu te vi pessoalmente! Você tá maravilhosa! E esse seu cabelo ruivo? Ficou lindo.
— Não exagera, Bekah. — Mirela falou, em tom de humor. — Maravilhosa está você! E essa sua casona? Então, no final das contas, todos aqueles cursos que você fez valeram a pena, hein?
— Valeram e muito! Mas então, o que você faz por aqui?
— Eu vim pra cá porque recebi uma proposta de emprego, mas infelizmente não consegui. Então, antes de voltar pra minha casa, no Primeiro Império, resolvi fazer uma visitinha pra você.


 Isso é maravilhoso. Você não sabe o quão feliz eu fico com sua visita. — Rebekah falou, segurando a mão de Mirela de forma amigável. —E a tia Neide? Como está?
— Minha mãe está bem, obrigada por perguntar. — Mirela respondeu, sorrindo. — E falando nela, eu prometi que iria mandar uma foto nossa no Whatsim*. Tira uma foto comigo?
Mas é claro!

Nota: Whatsim é o whatsapp dos sims.


Rebekah e Mirela eram primas de segundo grau que foram criadas juntas durante a infância. As duas eram inseparáveis e tinham laços fortes quando crianças, mas após a mudança da família de Rebekah para o Primeiro Império, a amizade veio a vacilar. Aos poucos, as chamadas no Simskype foram diminuindo e os laços foram se rasgando. Embora Rebekah ainda tenha um grande apreço por Mirela, o sentimento não é recíproco.


— Vamos entrar. Eu não sei se você percebeu, mas eu tô de camisola. — Rebekah brincou. Após ambas entrarem, ela prosseguiu: — Então, onde você tá ficando durante esses dias?
— Eu aluguei um quarto de hotel, no centro da cidade. Meu voo de volta para o Primeiro Império é só segunda-feira, pela manhã. Então vou passar o final de semana por lá.
— Mas de jeito nenhum! Eu faço questão que você fique comigo aqui. Hoje mesmo, depois que eu chegar do serviço, nós vamos lá e buscamos suas coisas.
— Você tem certeza...? Eu não quero causar nenhum incômodo... — Mirela fez charme.
Certeza absoluta! Temos um quarto sobrando e você pode ficar nele.


Mirela tinha ficado confusa, pois Rebekah falou no plural. Mas rapidamente suas dúvidas foram respondidas.
— Amor, quem é essa? — Christian indagou.
— Bom dia, meu bem. Essa é aquela minha prima que eu te falei: Mirela.


“Misericórdia, Rebekah não me contou que morava com um deus grego!... Eu tô chorando e não é pelos olhos...”


Mirela, este aqui é meu noivo: Christian. Eu vou deixar vocês dois conversando enquanto vou me trocar. Já estou atrasada.


— É um prazer finalmente te conhecer. — Christian falou, cumprimentando-a com as mãos. — Rebekah me falou muito sobre você e sobre a infância de vocês.
— O prazer é todo meu. — Ela retribuiu o cumprimento. — É uma pena que eu não possa dizer o mesmo. Eu não fazia ideia de que Rebekah estava noiva! Creio que quase ninguém da minha família saiba.


— Realmente são poucos familiares de Rebekah que sabem, acho que ela preferiu contar somente aos mais próximos. — Ele falou, mas ao perceber que suas palavras poderiam magoar Mirela, rapidamente corrigiu-se: — Quero dizer, somente aos que moram perto...


— Bom, vejo que vocês dois já se conheceram. — Rebekah comentou. — Eu tenho que ir trabalhar agora, mas de noite eu estarei de volta e nós iremos buscar suas coisas no hotel, Mi.
Rebekah era secretária na Biblioteca de Newcrest. Aquele era um emprego simples, mas ela o amava e exercia sua função de forma formidável e com ternura.


Logo, ela se despediu de Christian com um beijo e de Mirela com um abraço. Rebekah estava tão feliz que não pensou na possibilidade de que talvez Christian se sentisse desconfortável em ficar a sós com Mirela. Rebekah confiava totalmente em Christian; e Mirela era como uma irmã para ela, então uma traição nem sequer cruzou seus pensamentos.


Algumas horas se passaram desde que Rebekah havia deixado a casa. Christian e Mirela conversaram e se conheceram melhor. No entanto, Christian sentia-se estranhamente desconfortável por estar sozinho em casa com uma mulher que não era sua noiva. Para não deixar o assunto morrer, Mirela perguntou:
— Então você trabalha em quê?
— Eu sou web designer. — Ele respondeu, de boa. — Eu sou autônomo e por isso fico em casa o dia todo. E quanto a você, trabalha em quê?
— Eu sou vendedora de cosméticos. — A ruiva respondeu. — Produtos de cabelo, maquiagens, perfumes, eu vendo tudo isso e mais um pouco. Eu vim até aqui porque recebi uma proposta de me tornar comerciante internacional entre os Impérios, mas infelizmente não foi dessa vez.


Christian estava estranhando os olhares de Mirela, mas achou que era paranoia e preferiu ficar quieto. Antes que a conversa pudesse prosseguir, ele sentiu a perna de Mirela encostar na sua. Sem perder tempo, levantou-se e inventou uma desculpa para sair daquela situação:
Falando em cosméticos, eu acabei de lembrar que fiquei de ir buscar uns perfumes pra Bekah na cidade. Sinta-se em casa e até de noite!


Ele falou de maneira rápida, para que ela não tivesse tempo de responder, e saiu de casa mais rápido ainda.



Local Desconhecido.
Esconderijo dos Vampiros.


Eric e Selene aguardavam a chegada da mestra: Margaery. Aquela casa abandonada era o covil da grande vampira, e sempre que ela precisava se comunicar com outros vampiros, ela os invocava para o local. Margaery sempre preferiu locares limpos e de luxo, mas acabou optando por se estabelecer naquela casa, pois não era uma área explorada por humanos.  


Selene encontrava-se no piano. Ela amava tocar e sempre que tinha uma reunião, fazia questão de botar a mão na massa. Mesmo sendo uma vampira recente, com apenas setenta e sete anos, Selene já possuía diversos poderes e era extremamente forte para sua idade.


Eric estava sentado, impaciente como sempre. Ele detestava esperar, e detestava mais ainda ter que servir Margaery. Apesar de ser mais velho que Selene, era mais fraco. Com seus cento e dois anos, possuía menos poderes que sua companheira e era menos habilidoso.


— Eu não aguento mais isso! — Eric gritou, furioso. — Ela convoca a gente aqui, como se fôssemos empregados e ainda por cima temos que ficar esperando!
— Você deveria se acalmar um pouco. É por isso ninguém te suporta e você não consegue alcançar poderes maiores.  Você gasta toda sua energia reclamando igual uma maritaca.
— Olha aqui, você me respeite, sua insolente! Eu sou mais velho que você!
— Mais velho e mais fraco. — Ela debochou, rindo.


— Nós deveríamos olhar o que tem lá dentro. — Eric falou, apontando. Desde a primeira reunião, Margaery ordenou para que eles jamais abrissem a porta sem permissão. Em hipótese alguma.
— Não, nós não deveríamos. — Selene discordou. — Esse seu jeito algum dia vai te matar, Eric.
— Ah, qual é! Vai me dizer que você não tem curiosidade de saber o que tem ali dentro?
— É claro que eu tenho, mas devemos ser obedientes a nossa superior.
Selene era sensata e ambiciosa. Com seu carisma, charme, poder e inteligência sempre foi capaz de conseguir o que queria. Utilizando sua persuasão e manipulação, evoluiu rapidamente seus poderes e se tornou uma vampira poderosa. Desconhecido por todos, seu objetivo é grandioso e titânico, e ela irá cumpri-lo a todo custo.



Antes que a dupla vampírica pudesse continuar a conversa, foram interrompidos pela chegada de Margaery.


Ao avistar sua líder, ambos se ajoelharam em forma de reverência.


Satisfeita com o apropriado cumprimento de seus inferiores, Margaery comandou:
— Vocês podem se levantar.


— Como vocês já sabem, desde o aniversário de vinte anos da última Delphin*, nós finalmente conseguimos localizá-la. Agora, chegou nossa hora de agir.

Nota: Delphin é uma das raças sobrenaturais dessa série. Nos próximos capítulos haverá mais explicações a respeito dos Delphins.



— Se nós a encontramos, é só questão de tempo até que os caçadores a encontrem também. Por isso precisamos agir rapidamente. — Ela afirmou. — De acordo com minha pesquisa e meus informantes, a Delphin chama-se Rebekah e vive em Newcrest, com um cônjuge.


— Você quer que nós os matemos? — Eric questionou.
— É claro que não, seu idiota! Eu preciso da Delphin viva. — Margaery respondeu, impaciente.
— E quanto ao companheiro dela, o que você quer que façamos? — Selene interveio, tentando amenizar o olhar furioso que Margaery lançava a Eric.


Ao escutar as palavras de Selene, Margaery sorriu. Ela admirava a inteligência da garota e sabia que ela tinha potencial.
— Ponto pra você, Selene. — A mestra falou, sorrindo. — O garoto saiu de casa há meia hora.


Eu quero que vocês o encontrem e o façam acordar com um par de presas. — Ela gargalhava.
— Eu não entendo o propósito disso... — Eric comentou.
— Vocês não têm que entender nada. Façam apenas o que eu digo e eu os deixarei viver.


— Sim, senhora. — Selene concordou.
— Ótimo! Então antes de começarem, eu trouxe um presente para vocês. — Margaery disse, enquanto abria a porta e puxava uma humana. — Ela ficará hipnotizada por algum tempo, então façam o que quiser com ela, mas sejam rápidos pois uma missão aguarda vocês.


Sem perder tempo, Margaery utilizou seus poderes e saiu dali.


           Eric e Selene aproveitaram seu lanche.





Em uma sala secreta, Margaery revisava seu plano.
“Assim que eu tiver todos os elementos necessários, eu farei o ritual e finalmente libertarei vocês, meus irmãos. Eu quebrarei essa magia que lhes prende nesses caixões, nem que seja a última coisa que eu faça. Eu juro.”.


“Eu sei que eu já prometi isso antes, mas dessa vez não irei vacilar. Vocês se livrarão desse aprisionamento e nós iremos nos vingar dos caçadores por todo mal que nos fizeram.”.


“Edward, Mina e Klaus, eu juro por tudo que existe neste universo, eu irei libertar vocês!”.


No canto daquela mesma sala, encontrava-se um outro caixão. Um caixão que guardava algo tão obscuro e sombrio que nem mesmo Margaery tinha coragem de chegar perto.



Loja de roupas e cosméticos.
Centro de Newcrest.


“Eu acho que a Rebekah deve gostar desse perfume... Eu tenho que levar pelo menos alguma coisa pra disfarçar e inventar uma desculpa por ter ficado no dia todo no parque. A pior parte vai ser contar pra ela sobre o que aconteceu, a coitada vai ficar arrasada quando souber que a prima ficou se assanhando pro meu lado.”


Após comprar alguns perfumes e cosméticos, Christian deixou o estabelecimento e pegou a rota a caminho de casa.


Christian pensava em diversas maneiras de contar para Rebekah sobre o ocorrido. Ele não queria que ela tivesse uma ideia errada sobre o que aconteceu.  


Enquanto caminhava junto de seus pensamentos, Christian foi cercado por dois seres, que até então eram desconhecidos.
  

   
— Olha, eu não quero confusão... Se vocês estão atrás de Simoleons, eu lhes dou o meu e vocês me deixam em paz. — Christian disse.
— Não. Nós não queremos Simoleons, meu querido. — A mulher falou, às gargalhadas. — Nós queremos você!


Amedrontado com aquelas palavras, a primeira e única reação de Christian foi correr. A única coisa que ele conseguia pensar era correr o máximo que pudesse daqueles loucos traficantes de Sims!


Eu adoro quando eles correm. — Selene falou, com um sorriso psicopata em seu rosto. Ela amava aquela sensação de poder, amava a sensação de causar pânico nos outros.


Todo o esforço de Christian foi por água abaixo quando a figura masculina que o aterrorizou segundos atrás pairou em sua frente. O homem surgiu de uma fumaça negra e, em questão de segundos, bloqueou o caminho de Christian.
— O-o-o quê? — Christian estava confuso. As ideias em sua mente não eram claras, ele não conseguia processar o que estava acontecendo ali. Era muita informação em pouco tempo.


Antes que Christian pudesse falar mais alguma coisa, Selene saltou, colocando suas presas em seu pescoço. Ela bebeu seu sangue até que ele ficasse um tanto inconsciente.




Em seguida, usou seus poderes para hipnotizá-lo:
— Agora você vai fazer exatamente o que eu mandar. — Ela falou, com uma voz calma para que ele entrasse em transe.


Sem demora, ela mordeu seu próprio pulso, para que uma pequena ferida se abrisse.


— Agora, beba meu sangue, queridinho. — Ela comandou, indicando com a mão que o pulso era o local certo para o ato.




Para finalizar, Selene moveu suas mãos rapidamente, quebrando o pescoço de Christian.


E logo depois, desapareceu, juntamente com Eric.


Ao amanhecer, Christian despertou. Ele não estava entendendo nada, seria a noite anterior um pesadelo? E se sim, como ele havia parado ali? Várias perguntas rondavam sua mente, mas definitivamente ele não iria ficar ali para descobrir. Sua pele ardia e seus olhos lacrimejavam. Todo aquele sol e iluminação de alguma forma machucavam sua pele e seus olhos.


Em seu celular, dezenove chamadas perdidas.


Sem perder tempo, ele correu para casa.

— Rebekah? — Ele gritou ao entrar. — Rebekah, meu amor! Você tá aí?


Mirela estava no sofá, assistindo ao programa de culinária, mas ao ouvir aquela familiar voz que vinha da entrada, levantou-se e foi conferir.


— Olha, olha quem resolveu aparecer. Bekah está louca atrás de você!


— Por que você tá de calcinha e sutiã? Vá se vestir! — Ele falou, constrangido com a situação.
Ah, bonitão. Pode ter certeza que esse é o menor dos seus problemas agora.


— Rebekah passou a noite toda preocupada, praticamente não dormiu. Ela nem ia trabalhar hoje, mas rolou uma convenção importante e ela teve que ir. —  Ela explicou. —  Seus olhos estão super vermelhos, você por acaso andou usando drogas?


— Sinceramente? Eu não faço a mínima ideia. Eu tive uma das noites mais loucas da minha vida e acordei desmaiado no parque. Minha cabeça tá explodindo e meu corpo está trêmulo. Não sei o que está acontecendo comigo.
— Owwwn, coitadinho. — Ela o consolou, se aproximando. — Pra sua sorte, eu sei de uma coisinha que pode te ajudar a melhorar.
— Do que você tá falando? — De primeira, Christian não tinha entendido muito bem o que ela quis dizer, mas bastou raciocinar por mais alguns segundos e logo percebeu o que ela queria.


— Mirela, isso não vai rolar. Eu amo Rebekah e jamais faria isso com ela. — Ele afirmou, ríspido.
— Ah, qual é... Ela jamais vai saber. Esse vai ser nosso segredinho. — Ela cochichou. — Desde a primeira vez em que te vi, não consegui parar de imaginar esse momento...


— Eu não sei o que deu em você, mas isso não vai acontecer. Vá se vestir e saia de minha casa! Eu não me sinto mais confortável com sua presença.
— Shhhhhhhh... — Ela sussurrou, aproximando sua boca na dele. — Vai ficar tudo bem...


A cada centímetro que Mirela aproximava-se, Christian sentia uma sensação estranha. Ele sentia um desejo profundo, que só aumentava a cada segundo. Mas não era um desejo sexual por Mirela, e sim um desejo que ardia em sua garganta. Um desejo que consumia cada simples célula de seu corpo e o deixava com água na boca. Um desejo nunca sentido antes. Por alguma razão, seus sentidos estavam mais apurados. Era possível sentir os batimentos cardíacos nas veias de Mirela, era possível sentir o calor de seu corpo.


No mesmo instante em que os lábios de Mirela se encostaram nos de Christian, ele moveu-se rapidamente puxando o pescoço da ruiva para si.


Suas recentes presas agarraram o pescoço de Mirela; e sua nova força a impediram de sair.


A princípio, Mirela gritou, mas rapidamente seus berros cessaram. Christian era um vampiro recente, e por isso não tinha um pingo de autocontrole. Ele bebeu o sangue de Mirela até acabar com sua sede e o resultado foi desastroso.


O corpo de Mirela caiu no chão, sem vida. Christian havia ultrapassado os limites, e o resultado foi trágico.


[Continua]


Obrigado, amigo leitor, por ter lido até aqui! E eu super agradeço se puder deixar um comentário abaixo!
Tenha um ótimo dia! :D



CRÉDITOS:

Deixo aqui meus agradecimentos a todos os criadores de CP e Poses.
Here, my thanks to all CC and Poses’ creators.

Casa de Rebekah e Christian by Miscellaneous;
Pose Rebekah e Christian by Rinvalee;
Pose Mirela e Christian by Rinvalee;
Rebekah by Patrícia Leal;
Christian by Bruna Castro;
Selene by Bruna Castro;
Eric by Patrícia Leal;
Covil dos vampiros by Itamar_Netto; (Não consegui encontrar o link direto, mas basta pesquisar pelo ID "Itamar_Netto" na galeria.)
Mirela by me;
Margaery by me;
Infelizmente não possuo o link para o cabelo de Christian
Ps: Eu editei todos os Sims a meu gosto.